Arquivo da tag: poesia zen

Versos (e vídeo) para a impermanência

Eis que vejo tudo se transformando,
Como bruma na espuma do mar.

Os sonhos, de tanto que sonhei,
Também em realidade se transformaram.

Tudo o que foi feito será desfeito.
Tal é o hino da vasta existência,
Entoado em todas as partes,
Recitado pelo verso do Universo:

– Permanente lei da impermanência.

Votos de Luz,

Gustavo Mokusen.

O antinflamatório da vida

Ele pára. Nega-se a fluir com a natureza por pura desidentificação. Inflamam-se pensamentos,  espírito,  alma e, finalmente,  garganta. Pobre coitado! Mas, forte. A inércia é o que se apodera de um ser humano ao vislumbrar sua fraqueza . Não todo, mas algum, cansado. O tempo passa devagar e depressa.  Já não se sabe passando ou parado. E o danado é que, mesmo com ajuda, muitas vezes  se sente sozinho, parando e passado. É fio, assobio e passarinho.
A realidade de uma ilusão que pode nunca mais curar. Mesmo que ria, mesmo que chore. A inconveniência é, justamente, não constar o prazo de validade. E ele quer cortar o mal pela raiz. Chega de mentiras ou então, que se inflame. E busca, arqueado. E busca, esticado. Busca bêbado. Resmungando. Animado. Sonhando e faminto. Passa os dias a buscar. Às vezes acha que encontra. Depois, duvida. Onde estará ?
Contribuição de Thaís Cecília Silveira
Psicóloga – CRP:04/29306 Atriz – DRT: 6233