Feed back sim, dependência não.

Temos recebido muitas questões pessoais dos leitores do ALD, e é uma satisfação para nós poder compartilhar idéias e trocar experiências com vocês. Isso enriquece muito nosso propósito.

Vocês sabem qual é a única coisa que um olho não pode ver? Um olho pode ver tudo ao redor, menos a si mesmo; ele precisa de um espelho para conseguir se perceber. Em qualquer situação que possamos nos encontrar, nas boas e nas complicadas, nós sempre poderemos enxergar as coisas ao nosso entorno, mas certamente precisamos também de um feed back que funcione como um espelho e nos ajude a compreender a nós mesmos. O feed back é o retorno, é o reflexo do espelho que nos situa e nos ajuda muitas vezes a compreender a perspectiva dos outros. Assim, é com essa perspectiva que respondemos as questões que nos são dirigidas, na intenção de contribuir com um olhar externo e com algumas perguntas de perfuração que podem elucidar aspectos obscuros ou mal compreendidos do problema em si. E eu gostaria mais uma vez de agradecer a confiança de vocês em dividir questões pessoais conosco e reafirmar que nós sempre preservaremos a identidade e nomes de pessoas que contribuem com relatos. Bem, no começo da semana recebemos um email de uma colaboradora que dizia:

“Mas eu não consigo relaxar. Eu nunca relaxo. Eu sempre estou preocupada com o que meu pai vai achar, o que minha mãe vai dizer ou o que meu irmão vai opinar… Eu não tenho paz interior… Para acabar de inteirar, meu irmão que é quase 10 anos mais novo que eu é super bem sucedido, tem dinheiro, tem emprego e as comparações são inevitáveis!”

Como eu disse acima, o feed back é muito importante em nossas vidas. O espelho pode ajudar muito a nos localizarmos e a regularmos aspectos das nossas relações com os outros. Mas bem diferente disso é quando criamos dependência da opinião alheia, o famoso palpite, principalmente quando se trata de opiniões comparativas e pouco construtivas. Na maior parte dos casos, comparações podem ser bem injustas, porque na comparação geralmente nós não respeitamos as peculiaridades de cada situação. Tá, funciona bem ali, mas aqui é diferente. Sabe como? Temos que levar em conta isso, que temos necessidades e demandas que nem sempre são as mesmas – e viva a diversidade!

É complicado quando nós necessitamos sempre da aprovação alheia. Tudo bem, as pessoas falam com a gente, dão conselhos e opiniões, isso é muito bacana, é um tipo de feed back natural. Mas há um momento em que temos que assumir as rédeas da direção da vida, porque simplesmente as mesmas pessoas que opinam e dão conselhos não vão assumir as responsabilidades das decisões que você tomar. Lembre-se bem disso, você não pode delegar aos outros a responsabilidade das suas decisões. Agora, também tem aquele tipo de gente que não se toca, o famoso “entrão”, olhudo, que dá palpite em tudo e fica infernizando a vida dos outros com tudo de inútil que tiver nas mãos, só pra tocar a confusão. Tipo, é aquele que não faz nada e cobra de todo mundo.

Não deu para saber, pelo email que recebi, em qual caso nossa amiga se encontra, se é uma situação de hipersensibilidade à opinião e comparação alheia ou a síndrome do “entrão”. Mas de qualquer forma, podemos selecionar sempre quais opiniões e comparações vamos absorver. Existe uma passagem onde alguém oferece um presente para um mestre. Mas o mestre, com seu poder de percepção, vê que não se trata de um presente, mas sim de uma armadilha, dentro da caixa tinha um pássaro morto e envenenado, muito mal cheiroso, e aquela pessoa estava apenas testando o mestre. Então o mestre simplesmente disse: “Muito obrigado, mas não posso aceitar seu presente.” A pessoa então teve que voltar com o pássaro morto nas mãos. Essa metáfora mostra que temos o poder de decidir, de receber ou não aquilo que nos entregam. Claro, somos educados e falamos “muito obrigado pela sua opinião”, mas não deixamos isso nos afetar caso seja algo negativo ou inútil. Não absorvemos.

Dê os parabéns ao seu irmão pelo sucesso, lembrando-se que há várias formas de sucesso no mundo e não somente o financeiro. Ouça a opinião dos seus pais, afinal eles têm experiência, mas lembre-se das rédeas e da direção da sua própria vida. Seja amistosa com eles. Isso pacifica. Mas dentro de você não absorva comparações que te colocam abaixo ou receba energia de comentários negativos, caso seja esta a situação. Sai fora, olhudo!

Ao mesmo tempo, planeje concretamente suas ações de mudança. Não alimente inferioridade. O sentimento de inferioridade é a porta para a fraqueza, e ninguém gosta de uma pessoa ou de alguma coisa fraca. Ao mesmo tempo, não enrijeça o seu ego com sentimento de superioridade. Rigidez do ego provoca desmoronamento. O bambu é flexível, quando o vento forte sopra ele vai até o chão em sinal de humildade, mas depois volta à posição original revigorado. Já o carvalho inflexível que não cede ao vento acaba quebrado ao chão.

Com votos de luz,

Gustavo Mokusen.

Anúncios

A mente iluminada e o A4 na Universidade Gama Filho

Compartilhando com vocês um artigo publicado ontem no site do CAD (Centro de Atualização em Direito) sobre os quatro aspectos da mente iluminada e o sistema A4. O CAD é uma instituição parceira da Universidade Gama Filho e o link da matéria é: http://www.cadireito.com.br/noticias/todas/791-os-quatro-aspectos-da-mente-iluminada

Com votos de luz,

Gustavo Mokusen.

A mente diamante e o sistema A4

Prezados leitores do ALD, vamos hoje falar um pouco sobre gestão pessoal.

Após muitos anos trabalhando para encontrar uma forma de organizar os pilares do gerenciamento pessoal em um sistema coerente que somasse a milenar sabedoria oriental com as modernas técnicas de gestão estratégica, finalmente cheguei ao resultado que batizei como sistema “A4” e que gostaria hoje de apresentar a vocês. Esse sistema, que tem uma metodologia de funcionamento específica, pode ser aplicado para o aperfeiçoamento individual em praticamente qualquer área, para a gestão pessoal e para administração da maior parte das situações críticas.

O sistema se chama A4 porque ele se apóia em 4 aspectos, e todos começam com a letra “A” em português. Os aspectos são: Atenção plena, Ação não reativa, Administraçao de pontos críticos e Autoconhecimento (ou Aperfeiçoamento pela prática).

Estes são também os quatro aspectos da mente iluminada, que é aquela mente capaz de cortar medos, angústias, ilusões, sofrimentos, e assim é livre para realizar o seu próprio caminho. A questão da realização do caminho é de suma importância, pois sempre haverá conflito e perturbação interior quando fugimos da nossa direção e não nos tornamos aquilo que somos. Por isso, essa mente funciona como a espada afiada de um samurai que corta perfeitamente em um só golpe qualquer obstáculo mental, sem dúvidas ou vacilos. Com o olhar firme, o samurai maneja sua espada com reverência e respeito, sabendo que ela é um prolongamento da sua mente iluminada, de seu espírito, assim como tudo o que o cerca.

A mente iluminada é chamada também de mente diamante. O diamante é a substância mais dura que existe na natureza, de elevadíssima estabilidade estrutural, e isso lhe dá a propriedade de riscar todas as outras substâncias e jamais ser riscado; ele também possui uma formação molecular chamada tetraédrica que é a mais estável possível, onde seus átomos estão organizados em forma de pirâmides de quatro faces, e é por isso que dizemos que a mente iluminada possui quatro aspectos fundamentais.

Então o sistema de gestão pessoal A4 contempla o cultivo da mente diamante, ou mente iluminada, como base de transformação, e combina a isso técnicas gerenciais objetivas como plano de ação, assertividade e fluxograma de processos para administrar o cenário que se apresenta.

Ao contrário de outros modelos de gestão, o A4 primeiro organiza o indivíduo por dentro, e depois parte para as metas e objetivos externos. Na verdade, é impossível até mesmo estabelecer metas sem essa organização anterior. O A4 definitivamente não é algo que vem de fora para dentro.

Abaixo eu compartilho um vídeo de apenas 2 minutos, mas muito inspirador, que encontrei ao acaso e que coincidentemente mostra os quatro princípios do A4. Nesta belíssima animação você pode identificar todos os “As” que eu citei acima. Não esqueça de aumentar o volume:

E aí? Conseguiu perceber a atenção, ação, administração e autoconhecimento?

O interessante é que, com o passar do tempo, eu fui percebendo que era possível aplicar o A4 para melhorar relações interpessoais, gerenciar a carreira profissional, aumentar o desempenho em atividades de interesse, resolver conflitos  emocionais, intensificar o treinamento espiritual, equilibrar a vida financeira e praticamente para administrar a maior parte das situações críticas que pode ocorrer.

Não, o A4 não é milagroso e nem uma fórmula mágica, pois eu disse que é possível aplicá-lo. Mas isso vai demandar muito trabalho interior, não se engane. Como esse método vem de dentro pra fora, sem a sua participação ativa nada funciona. Você possui uma mente diamante natural, mas ela precisa ser lapidada para brilhar e cortar.

Nós vamos falar mais sobre o A4 por aqui. Tem alguma dúvida? Mande para nós: questoes@aluzdodia.com

Com votos de luz,

Gustavo Mokusen. 

por

%d blogueiros gostam disto: