Arquivo da categoria: Finanças & Bem Estar

Antes de pensar em ganhar, melhor tentar deixar de perder

Por Allyson Bastos

Quando se pensa em alcançar a independência financeira, é comum despender maiores esforços na busca por maneiras de aumentar os ganhos. Tudo bem, desde que a busca por tais ganhos não se torne a razão de ser de nossas vidas, consumindo todo o nosso tempo e energia.

Penso que o primeiro passo a ser dado na jornada pelo equilíbrio financeiro, todavia, é a identificação das nossas próprias fraquezas, dos ralos por onde nosso dinheiro escoa, das práticas que corriqueiramente acarretam perdas.

Multas de trânsito freqüentes, academias que são pagas mas não freqüentadas, comida comprada em excesso e que depois vai para a lata de lixo, cupons de compras coletivas que não são usados… É vasto nosso repertório de desperdício de dinheiro, e eu mesmo ainda me surpreendo transitando por uma das situações que acabei de citar. Pense bem: uma multa de trânsito de R$ 80,00, mais R$100,00 da academia não freqüentada e R$30,00 de comida desperdiçada somam R$210,00. Geralmente incorremos nesse tipo de prejuízo sem nos darmos conta.

Mas se pensarmos que essa mesma quantia de pouco mais de duzentos reais aplicada mensalmente na caderneta de poupança (que é um dos investimentos mais conservadores à disposição da população), ao final de 15 anos constituiria um capital de cerca de R$71.800,00 (ou cerca de R$90.000,00, em aplicações um pouco mais rentáveis, como Títulos Públicos), temos uma noção mais próxima da dimensão que os pequenos desperdícios adquirem no longo prazo.

Evitar essas pequenas perdas por alguns anos pode garantir que, em um futuro não tão distante, pelo menos parte de nossas despesas possam ser custeadas de maneira passiva, sem necessidade do salário. Desse modo, torna-se possível mudar o significado do trabalho em nossas vidas, de simples “ganha pão”, para fonte de auto-realização e instrumento de bem-estar para a sociedade. E acredite: há uma grande chance de sua vida profissional se tornar mais produtiva e mais prazerosa à medida que seu salário se torna desnecessário para o sustento de suas necessidades básicas.

O desperdício, portanto, é uma praga que corrói dia após dia possibilidades de concretizar sonhos. Nossos e dos outros. Imagine o efeito positivo que esses mesmos trocados desperdiçados fariam na vida daqueles que mal têm o que comer… ou daqueles que não chegam a se tornar gênios da ciência, ou das artes, simplesmente por não terem condições materiais mínimas para acionar o gatilho do desenvolvimento de suas aptidões.

Evitar o desperdício, mais do que uma prática para impulsionar o desenvolvimento pessoal, é questão de responsabilidade social. É preciso, pois, desaprender práticas viciadas, condutas inconscientes que desagregam e que nos mantêm afastados de nossas potencialidades.

E não basta que o desperdício seja combatido apenas em seu aspecto financeiro. A vida deve ser desenvolvida por inteiro. Podemos ter incríveis qualidades pessoais e profissionais, mas se não imprimirmos humanidade, compaixão, respeito e sentido ao modo com o qual nos relacionamos com o mundo, pode ser que o resultado da soma dê negativo. E energia gasta com aquilo que não engrandece, também é desperdício.

O caminho para a prosperidade, portanto, talvez comece por aí: aprender a transformar nossas perdas em ganhos e a evitar a autosabotagem que anula aquilo que de bom construímos ou tentamos construir em nossas vidas.

Finanças, consumo e bem-estar

Por Allyson Bastos

No Fedro, de Platão, faz calor e Socrates está sob um carvalho. Ele encontra uma fonte, refresca as mãos, repousa à sombra e encontra ali a perfeita consonância entre si e o que o circunda. Isto é dar “sentido” às coisas. Sócrates não precisa de nada mais, não é como Onassis ou Trump, que cortam o mar com seus iates e mil acessórios” (O Ócio Criativo, de Domenico de Masi).

Talvez duas facetas da paradoxal inquietação humana nos tempos atuais sejam a ansiedade financeira e a busca desesperada pelo bem-estar espiritual.

A ansiedade financeira pode ser entendida como um produto da cultura do consumo e do imediatismo, que nos pressiona a termos, hoje, mais do que podemos, queremos e, principalmente, mais do que precisamos. É fruto, também, da pretensa eleição do dinheiro como a mais relevante unidade de medida de valor de todas as possibilidades de realização do ser humano. E assim, vende-se falsamente a ideia de que sensações, conhecimentos, experiências e relações estão cada vez mais à nossa disposição… desde que, e apenas na medida em que, possamos pagar por isso.

E a busca pela satisfação das infindáveis demandas impostas deságua, muitas vezes, no consumo desenfreado. Daí vem o endividamento, que ao comprimir ainda mais a capacidade de sustentar o consumo, gera mais ansiedade, alimentando um círculo vicioso.

Da percepção do desajuste que há entre as necessidades naturais próprias do ser humano e os modos de satisfação vazios e desprovidos de sentido impostos pela cultura do consumo e do imediatismo é que surge a busca desesperada por fórmulas mágicas para se alcançar o equilíbrio espiritual, como uma espécie de fuga da realidade.

Primeiramente, preciso dizer que sou cético quanto a fórmulas que prometem resolver as ansiedades do mundo moderno tão somente pela ação no plano espiritual ou psicológico. Do mesmo modo, tenho convicção que ninguém se torna equilibrado em sua plenitude tão somente por ter um bom emprego, com um alto salário, enfim, por estar “bem resolvido” no plano material.

Na verdade, creio que a busca conjunta pelos equilíbrios material e espiritual tem um grande potencial. Uma vida espiritual e emocionalmente equilibrada favorece o desenvolvimento da inteligência financeira na medida em que fortalece nossa imunidade contra os apelos consumistas. Por outro lado, uma inteligência financeira bem exercitada nos garante melhores condições materiais de nos dedicarmos mais ao nosso desenvolvimento espiritual. Forma-se, então, um círculo virtuoso.

É preciso, pois, aceitar que o desejo de prosperar materialmente pode e deve ser conjugado com a busca pelo desenvolvimento interior. Não há pecado algum em buscar melhores condições financeiras. Pelo contrário, a riqueza é sempre bem-vinda quando não direcionada simplesmente ao “ter mais”, mas sim ao “ser em paz”.

Na busca por uma vida sustentável, temos que nos esforçar para precisar de menos. Aquela roupa caríssima é realmente necessária neste momento? Realmente preciso trocar de carro agora? Preciso mesmo viver tanto das aparências? Um espírito evoluído certamente tem mais condições de refrear esses impulsos, por possuir a lúcida percepção de que o valor das coisas está não no “quanto custam”, mas sim no “quanto significam”.

Não prego uma visão radical de que devamos nos privar das coisas boas da vida material. Não tenho tal desprendimento e acredito que muito dificilmente o terei. Penso que devemos apenas cultivar o consumo consciente. Aquele que, de fato, nos traz bem-estar sem efeitos colaterais.

Concomitantemente ao esforço por nutrir menos demandas, é salutar que busquemos informação, que aprendamos a lidar com o dinheiro, com nossas finanças pessoais, mas não a ponto de ocuparmos todo o nosso tempo com números, índices, propostas de investimentos etc. Digo que devemos dedicar às finanças apenas o tempo necessário para garantir que não precisaremos nos preocupar com dinheiro. E isso basta.

Aí reside a nobre missão da educação financeira: propiciar condições materiais para que possamos viver em paz, desfrutando plenamente os bons momentos que realmente nos engrandecem espiritualmente.

Para terminar, voltemos à cena descrita no início deste texto.  O filósofo realmente teria a paz de espírito necessária para encontrar a perfeita consonância entre si e aquilo que o circundava naquele momento de extrema simplicidade (mas de absoluta satisfação), caso tivesse prestações vencendo, dívidas acumuladas e credores batendo à sua porta?