Arquivo da categoria: Arte & Vida Interior

Aprendendo sobre o amor próprio

Por Shan Zimmerman

Estou caminhando na direção do amor próprio. Estou aprendendo a me amar. Estou aprendendo a silenciar a minha crítica interna e substituí-la com o cultivo de pensamentos de amor e aceitação.

Como uma pessoa criativa, às vezes tenho momentos de insights em que várias partes da minha vida se alinham e, assim, eu tenho uma direção clara a seguir.

Ficou claro para mim que a minha nova direção artística é criar mandalas, para mergulhar no mundo intrigante dessas formas circulares significativas que são usadas como ferramentas para a obtenção de sabedoria e compaixão.

Não devo bloquear essa ação de expressar minhas experiências através das cores, tamanhos e formas, e também a minha vontade de compartilhar o que tenho aprendido na vida através de pessoas incrivelmente autênticas, como Gustavo.

Ao longo da jornada da minha vida tomei conhecimento das recorrentes emoções negativas que se manifestam em meus relacionamentos. Por “emoções negativas” quero dizer aqueles sentimentos nem sempre saudáveis com os quais eu me identificava e que não tinham efeitos positivos em longo prazo, me fazendo perder de vista o amor com o qual estou rodeada.

Procurando inspiração para agir sempre a partir de um lugar de compaixão, eu queria encontrar as raízes desses momentos difíceis e transmutar todas as emoções que me impulsionavam a partir da insegurança.

A resposta não veio de imediato, mas, quando aconteceu, foi poderoso.

Eu não estava me amando.

Meu primeiro grupo de mandalas são, então, sobre o amor próprio. As cores são quentes como um abraço carinhoso. Os movimentos são lentos e contemplativos. As bordas são arredondadas e macias como as palavras de amor. Linhas de repetição vibram a energia do crescimento. A mandala não tem limites, seu amor é expansivo e não é confinado.

Quando eu comecei a criar essas mandalas, tornou-se claro para mim que em cada momento existe uma oportunidade de cuidar e amar o meu guia interior. Cada momento é uma oportunidade de amar, de aceitar e validar a mim mesma, minhas idéias e minhas emoções.

Muitas vezes eu quero que a mudança ocorra imediatamente, mas estou aprendendo que este processo de amar a si mesmo, de sempre agir com compaixão, vem lentamente, pouco a pouco… momento a momento.

Respondendo com graça

Por Shan Zimmerman

Um dos maiores desafios que encontrei desde que me mudei para o Brasil foi a aprendizagem da língua. O fluxo natural de conversação, com o qual eu estava acostumada por toda a minha vida, tornou-se dolorosamente difícil. Conversas simples agora incluiam longas pausas para absorver e entender palavras, misturando numa mesma matriz expressões faciais confusas e quantidades excessivas de “eu não entendo” e “quê?”. Para evitar a vulnerabilidade, comecei a praticar a arte de fingir que sabia o que a outra pessoa estava dizendo, usando aquilo que eu esperava funcionar para me tornar crível – as expressões faciais.

Meu ego estava profundamente ferido quando me mudei para o Brasil por causa da minha luta linguística e, honestamente, muitas vezes ainda está. Eu estava frustrada porque eu não podia me comunicar, nem mesmo por frases simples. Eu tinha acabado de me formar na universidade, mas agora o meu nível de expressão tinha voltado ao nível pré-escolar. E mesmo as crianças da pré-escola olhavam para mim como se eu fosse uma alienígena!

Era comum eu estar conversando com alguém e, por qualquer motivo, eu via a face do meu interlocutor mudar com um olhar de confusão. Essa confusão, por sua vez, provocava minha crítica interna, minhas inseguranças. Antes da conversa acabar eu já estava desanimada e assim criava muitas impossibilidades. Sentia-me estúpida. Eu sentia como se eu nunca fosse alcançar meu objetivo.

No entanto, uma das minhas descobertas mais valiosas desde que me mudei para o Brasil foi a existência do diálogo interno, e também como responder a esse diálogo interno com uma afirmação positiva.

Através da prática diária da meditação, escrita e leitura sobre autoconhecimento, tenho começado a responder ao meu desafio linguístico de uma forma mais construtiva. Se eu estou falando com uma pessoa e sua resposta atiça a minha crítica interna, agora sou capaz de “ver” essa crítica interna com certa distância e responder usando uma afirmação positiva. Por exemplo, eu poderia dizer a mim mesma que este desafio é uma oportunidade para crescer… e eu estou respondendo com iteligência e graça.

As afirmações são simples. Elas são você no controle consciente de seus pensamentos. Elas são curtas, mas declarações poderosas. Quando você as pronuncia, ou as considera em pensamento, ou mesmo as ouve, elas se tornam a energia que cria a sua realidade. Quando eu tomo conhecimento de um pensamento negativo e substituo esse pensamento por uma afirmação positiva, posso sentir meu corpo relaxar automaticamente e, então, sou mais capaz de me concentrar para atender ao meu desafio de linguagem.

Eu me pergunto se no futuro as minhas afirmações positivas serão em Português… : )

Você tem uma experiência semelhante? Como as afirmações positivas poderiam ajudá-lo em sua própria vida? Deixe-nos um comentário ou envie um email: contribuicao@aluzdodia.com

Ilumine sua criatividade

Por Shan Zimmerman

É impossível escrever páginas matinais por um período de tempo prolongado sem entrar em contato com uma poderosa energia interior.” Julia Cameron, criadora das Páginas da Manhã

TENTE ISSO:

Todas as manhãs abra um bloco de anotações ou um caderno e começe a escrever.

Três páginas.

Continue a escrever até você tenha escrito três páginas.

Pontuação, ortografia e gramática não são importantes.

 Ninguém vai ler suas três páginas.

Basta escrever.

Mantenha sua mão movendo-se através da página.

Escreva o que vem em sua mente. Escreva seus pensamentos negativos.

Escreva sobre suas inseguranças.

 Escreva sobre o AMOR.

 Se você não tem nada para escrever, escreva sobre isso.

Não existe uma forma errada de escrever.

Só escreva. Constantemente. Três páginas.

DIÁRIAS.

 Escreva todas as manhãs em que começa o seu dia.

POR QUÊ?

Somos pessoas criativas – todos nós – e cada um manifesta essa criatividade de forma única.  Usamos a criatividade quando imaginamos construir nossas VIDAS. E quando tomamos ações a partir dessa criatividade, alinhamos o mundo que existe fora de nós com a nossa intenção interior.

No entanto, nosso acesso a essa criatividade é muitas vezes… bloqueado. A criatividade torna-se dispersa, esperando pacientemente enquanto o passado, presente e o futuro lutam para ganhar a posição principal em sua mente. Quando isto acontece, agimos a partir de um lugar de confusão.

Esta é sua chance.

Esta é sua chance de libertar todos os passados, presentes e futuros…

Então, sua criatividade poderá respirar.

Assim, você poderá se conectar com sua intenção.

Muitas vezes somos vítimas de nosso próprio perfeccionismo interior. Esse perfeccionismo ataca a nossa criatividade e opta por aquilo que é seguro, por aquilo que já sabemos. Deixe que o perfeccionismo fale e saia em sua escrita. Enquanto escrevemos, nós nos movemos para além do nosso perfeccionismo, medo, e negatividade e vamos encontrar nosso próprio centro calmo, o lugar onde nós ouvimos a voz delicada que é ao mesmo tempo nossa e do Universo, a nossa intenção.

Este processo irá lhe dar uma visão nova e valiosa em sua vida. Eu convido você a escrever três páginas, todas as manhãs durante três semanas e, por favor, compartilhe conosco o que você está descobrindo.