Os sinos da atenção plena

OS SINOS DA ATENÇÃO PLENA

THICH NHAT HANH

THE BELLS OF MINDFULNESS – Thich Nhat Hanh – 2012 – Buddhist Unified Church

Tradução de Marisa Villani e Patrícia Bretas (Dezembro de 2015)

thay-w-bell

Os sinos da atenção plena estão tocando. Em toda a Terra estamos vivenciando incêndios. O gelo está derretendo no Ártico, furacões e ondas de calor estão matando aos milhares. As florestas estão desaparecendo rapidamente; os desertos estão se expandindo; as espécies estão se tornando extintas a cada dia; e, ainda assim, nós continuamos a consumir, ignorando o toque dos sinos.

Todos nós sabemos que nosso maravilhoso planeta verde está em perigo. Nossa maneira de caminhar na Terra tem grande influência sobre os animais e as plantas. Ainda assim, agimos como se nossas vidas não tivessem nada a ver com a condição do mundo. Agimos como sonâmbulos, não sabendo o que estamos fazendo ou para onde estamos indo. Se vamos despertar ou não, irá depender da maneira como caminhamos com atenção plena na nossa Mãe Terra. O futuro de toda a vida, incluindo a nossa, depende dos nossos passos conscientes. Temos que ouvir os sinos da atenção plena que estão tocando em todo o nosso planeta. Precisamos começar a aprender a viver de uma maneira que torne possível um futuro para nossos filhos e netos.

Sentei-me com Buda por um longo tempo e o consultei sobre a questão do aquecimento global. E o ensinamento de Buda é muito claro: se continuarmos a viver como temos vivido – consumindo sem pensar no futuro, destruindo nossas florestas e emitindo dióxido de carbono em grande quantidade – então uma mudança de clima devastadora será inevitável. Grande parte de nosso ecossistema será destruída. Os níveis dos oceanos irão subir e cidades do litoral serão inundadas, forçando milhares de pessoas a sair de suas casas, criando guerras e surtos de doenças infecciosas.

Precisamos de um “despertar coletivo”. Há entre nós, homens e mulheres que já estão despertos, mas isso não é suficiente. A maioria das pessoas ainda está dormindo. Nós construímos um sistema que não podemos controlar que se impôs sobre nós e nos torna seus escravos e vítimas. A grande maioria, que quer ter uma casa, um carro, uma geladeira, uma televisão, etc., terá que oferecer em troca, seu tempo e sua vida. Estamos constantemente sob a pressão do tempo. Antigamente tínhamos 3 horas para tomar uma xícara de chá, apreciando a companhia de nossos amigos, em um ambiente sereno e espiritualizado. Poderíamos organizar uma festa para celebrar o desabrochar de uma orquídea em nosso jardim. Hoje não podemos nos dar mais a esse luxo. Dizemos: “Tempo é dinheiro”. Criamos uma sociedade na qual os ricos se tornam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres; na qual estamos cada vez mais envolvidos em nossos problemas imediatos e não conseguimos perceber o que está acontecendo com o resto da família humana e com o nosso planeta Terra. Vejo isso como se fosse um grupo de galinhas disputando alguns poucos grãos de milho, sem saber que em poucas horas estarão todas mortas. A China, Índia, Vietnã e outros países em desenvolvimento ainda buscam o sonho americano, como se esse sonho fosse o objetivo mais importante da humanidade – todos tem que ter uma casa, um carro, uma conta bancária, um telefone celular, uma televisão. Em 25 anos, a população da China será de mais de um bilhão e meio de pessoas (*) e se cada chinês quiser dirigir o seu próprio carro, o país precisará de mais de 99 milhões de barris de petróleo por dia; mas a produção mundial é de apenas 84 milhões/dia. Portanto, o sonho americano não é possível para a população da China, Índia ou Vietnã. O sonho americano nem é mais possível para os próprios americanos. Não podemos mais continuar a viver dessa maneira. Isso não é uma economia sustentável.

Temos que ter outro sonho – o sonho de fraternidade, de bondade amorosa e compaixão. Este sonho é possível aqui e agora. Nós temos o Dharma; temos os meios, nós temos suficiente sabedoria para viver este sonho. A consciência plena é o cerne do despertar, da iluminação. Praticamos a respiração para sermos capazes de estar aqui no momento presente, de maneira que possamos reconhecer o que está acontecendo conosco e ao nosso redor. Se o que está acontecendo dentro de nós é desespero, temos que reconhecê-lo e agir imediatamente. É possível que não queiramos confrontar esta formação mental, mas ela é uma realidade e temos que reconhecê-la para transformá-la.

Nós não precisamos mergulhar em desespero em relação ao aquecimento global. Podemos agir. Apenas assinar uma petição e nos esquecermos dela, não irá ajudar em nada. Precisamos agir com urgência, não só no nível individual, como também no coletivo. Todos nós desejamos viver em paz em um ambiente sustentável. O que a maioria ainda não tem são meios concretos para transformar este compromisso de uma vida sustentável em uma realidade no nosso dia-a-dia. Ainda não nos organizamos. Não podemos culpar nossos governos e corporações pelos químicos que poluem nossa água, pela violência urbana e pelas guerras que destroem tantas vidas. Está na hora de cada um de nós despertar e agir.

Testemunhamos violência, corrupção e destruição à nossa volta. Sabemos que as leis que temos não são suficientes para controlar a superstição, a crueldade e o abuso de poder que presenciamos diariamente. Só a fé e a determinação nos livram de cair em profundo desespero.

O budismo é a forma mais forte de humanismo que temos. Ele pode nos ajudar a aprender a viver com responsabilidade, compaixão e bondade amorosa. Todo praticante do budismo deveria ser um protetor do meio ambiente. Temos o poder de decidir o destino de nosso planeta. Se despertarmos para a verdadeira realidade em que vivemos, haverá uma mudança na consciência coletiva. Temos que fazer alguma coisa para despertar as pessoas. Temos que ajudar o Buda a despertar as pessoas que estão vivendo no sonho.

O SOM DO SINO

Algumas vezes precisamos de um som para nos lembrar de retornar à nossa respiração consciente. Chamamos estes sons de “sinos de atenção plena”. Na Plum Village e em outros centros de prática da minha tradição, paramos sempre que ouvimos o telefone tocar, o relógio bater as horas, ou o som do sino do mosteiro. Estes são nossos sinos de atenção plena. Quando ouvimos o som do sino, paramos de conversar e movimentar. Relaxamos o nosso corpo e nos tornamos conscientes de nossa respiração. Fazemos isso naturalmente, com alegria e sem solenidade ou rigidez. Quando paramos para respirar e restaurar a nossa calma e nossa paz, nos tornamos livres; nosso trabalho se torna mais agradável e o amigo diante de nós se torna mais real.

Algumas vezes os nossos corpos podem ser a nossa casa, mas não estamos realmente em casa: nossas mentes estão em outro lugar. O sino pode ajudar a trazer a mente de volta para o corpo. É assim que praticamos em um templo. Consideramos o sino um amigo, um bodhisattva que nos ajuda a despertar, porque ele nos ajuda a voltar para nós mesmos, voltar para o presente.

Em casa, podemos usar o toque do telefone, o sino de uma igreja próxima, o choro de um bebê, ou até mesmo o som de uma sirene ou do alarme de carro como sinos de atenção plena. Com apenas 3 respirações conscientes, podemos liberar a tensão em nosso corpo e mente e retornar a um estado tranquilo e agradável de ser.

No Vietnã, eu tinha o costume de ouvir o som do sino do templo budista. Quando fui para o Ocidente não havia sino budista. Eu só ouvia o sino da igreja. Um dia, quando eu já estava na Europa há vários anos, estava praticando a meditação andando em Praga. De repente, ouvi o som do sino de uma igreja e, pela primeira vez, fui capaz de entrar em contato profundo com a alma da Europa antiga. Desde então, toda vez que ouço um sino de igreja, seja ele na Suíça, França ou Rússia, eu entro em contato profundo com a alma da Europa. Para aqueles de nós que não treinam, o som do sino não significa nada. Mas se praticarmos, o som terá um significado espiritual para nós e irá despertar coisas maravilhosas dentro de nós.

Na nossa tradição, não dizemos “bater o sino”, dizemos “convidar o sino para tocar”. A pessoa que convida o sino é o “mestre do sino” e o bastão de madeira é “o convidador”. Há muitos tipos de sino: sinos grandes que podem ser ouvidos em toda a vizinhança; sinos menores que anunciam as atividades e podem ser ouvidos em todo o centro de prática; o sino (bowl bell) na sala de meditação, que nos ajuda na prática do respirar e sentar; e ainda o mini sino – ele cabe no bolso e podemos carregá-lo conosco.

É muito importante praticarmos para sermos capazes de “convidar o sino”. Se formos firmes, despertos, livres e muito atentos, o som do sino que oferecemos pode ajudar as pessoas a entrar em contato com o que há de mais profundo dentro delas.

CONVIDANDO E OUVINDO O SINO

Quando você for um mestre do sino e quiser convidar o sino para tocar, a primeira coisa a fazer é reverenciar o sino. Ele é como um amigo que ajuda a trazer a sua mente de volta a seu corpo. Quando mente e corpo estão juntos, nós estamos no aqui e agora, e podemos viver profundamente nossas vidas.

Se você tiver um sino pequeno que caiba em sua mão, após a reverência, pegue-o e coloque-o na palma da mão. Imagine sua mão como uma flor de lótus com 5 pétalas e o sino como uma joia dentro da flor. Enquanto você segura o sino desta maneira, você pode praticar a atenção plena inspirando e expirando.

Há um poema que irá ajudar você a trazer a sua mente de volta ao seu corpo, para que você possa estar verdadeiramente presente. Se você não estiver verdadeiramente presente no aqui e agora, você não poderá ser um bom mestre do sino. Depois de inspirar e expirar 2 vezes recitando este poema, você estará qualificado a ser um mestre do sino.

Corpo, fala, mente em perfeita unicidade

Meu coração acompanha o som do sino.

Possam os ouvintes despertar do esquecimento

E transcender o caminho da ansiedade e da dor.

Há 4 linhas. Uma é para inspirar, outra para expirar. O poema (gatha) é muito lindo, mas se você não se lembrar dele, tudo bem. Você pode apenas inspirar e apreciar sua inspiração e expirar e apreciar sua expiração. Isto também fará de você um mestre do sino. Você agora está pronto para convidar o sino para tocar.

Toque de leve (meio-som) para acordar o sino delicadamente. Este é um aviso muito importante, não só para o sino, como também para as pessoas. Você está sendo gentil com o sino para que ele não seja surpreendido, e quer avisar as pessoas que um som mais forte está vindo, para que elas possam se preparar para recebê-lo, estando verdadeiramente presentes. Em um centro de prática, o som do sino é como a voz do Buda vindo de dentro de nós, nos chamando para casa. Quando você acorda o sino, as pessoas param de pensar, de conversar e se voltam para a respiração, enquanto esperam pelo próximo som. Tem-se que permitir que elas tenham tempo suficiente para se prepararem para o som mais forte. Portanto, dê a elas o tempo de uma inspiração e uma expiração para estarem prontas. Mesmo que estejam animadas, dizendo alguma coisa ou pensando em algo, ao ouvirem o som leve (meio-som) elas sabem que devem parar – parar de pensar, parar de conversar, parar de fazer coisas – e se preparar para estarem prontas para ouvir o sino.

Então, você convida o sino para tocar plenamente. Inspire e expire profundamente 3 vezes. Se você fizer isto com atenção plena, após 3 respirações, você estará relaxado, calmo, sereno e atento. Você poderá recitar para si mesmo o seguinte poema, enquanto inspira e expira:

Ouça, ouça.

Este som maravilhoso

Traz-me de volta

À minha verdadeira casa.

“Ouça, ouça” (ao inspirar) significa: ouça com todo o seu coração. “Minha verdadeira casa” é vida com todas as maravilhas que estão disponíveis no aqui e agora. Se você praticar bem, o reino de Deus e a Terra pura do Buda estarão disponíveis a qualquer momento que você for para dentro de si mesmo com o som do sino.

Anúncios

Uma opinião sobre “Os sinos da atenção plena”

  1. sonia gratidão por esse texto belo e esclarecedor. Texto para uma nova guiança interna.Gratidão as duas tradutoras ! Nana

    Curtir

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s