Reflexões em luz e sombra

A luz ilumina, a sombra ensina”.

Sempre que fazia retiro de meditação Zen lá no Mosteiro Pico de Raios em Ouro Preto, eu dava de cara com essa frase literalmente incrustada na fachada antiga de uma casa com arquitetura cuidadosamente desenhada. Era no caminho de volta, na descida íngreme do Morro de São Sebastião, quem já foi lá sabe que esse morro é literalmente uma “pirambeira” de ruas calçadas. E era justamente na volta, quando saía do mosteiro ao final do retiro, que essa casa e essa frase despontavam ao lado esquerdo de quem desce, como se fosse um lembrete no retorno à cidade, aos problemas do cotidiano, à vida de cada dia afastada da paz e do silêncio do mosteiro.

O detalhe interessante é que junto com a citação na fachada havia também um relógio de sol.

ld 095

Às vezes não entendemos bem uma fase escura que atravessamos. Como uma semente que é posta debaixo da terra, na completa escuridão e silêncio, certamente haverá dificuldades ao atravessar um período como esse. Mas é também certo que essas são condições iniciais indispensáveis para a semente brotar e romper em direção à luz. Outras vezes, é até mesmo muito provável que possamos não aceitar completamente a existência das sombras em nós mesmos e no mundo. Mas viver é uma arte, uma arte que requer conciliação constante entre muitas coisas que conhecemos e outras que desconhecemos.

Às vezes enxergamos; às vezes não. Compreender e saber lidar com isso é de fundamental importância no jogo entre nascimento e morte.

Carlos Castañeda, no papel do bruxo xamânico Don Juan, afirma: “muita luz é como muita sombra: não deixa ver.”. Imersos nessa realidade de fenômenos relativos, eis aí algo valioso a considerar.

E, ainda assim, há tantos outros pontos entre os opostos de luz e escuridão, parcialmente iluminados, parcialmente em penumbra, de forma que há muito mais na figura que o olho pode ver.

luz34

Sempre releio Gibran Khalil Gibran:

“Na verdade, todas as coisas movem-se dentro de vós em constante meio-enlace, as desejadas e as receadas, aquelas que vos repugnam e aquelas que vos atraem, aquelas de que fugis e aquelas que procurais. Essas coisas movem-se dentro de vós como luzes e sombras em pares estreitamente unidos. E quando a sombra se desvanece e se dissipa, a luz que se demora torna-se a sombra de uma outra luz.”

Gustavo Mokusen.

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s