Top Posts 2012

RELACIONAMENTOS: NÃO DEIXE A PETECA CAIR!

As relações que temos são o termômetro da nossa inteligência social, sejam elas relações familiares, profissionais, de amizade ou amorosas. Passamos a maior parte das nossas vidas em relacionamento com os outros, e é muito difícil, para não dizer impossível, abster-se de todo e qualquer relacionamento neste mundo cada vez mais interligado. Por isso, as relações são uma grande oportunidade de autoconhecimento. Afinal, quem nunca esteve em uma relação que exigisse crescimento interior e sacrifício?

Eu tenho uma analogia: uma relação é como um jogo de peteca jogado no “mano a mano”, ou seja, duas pessoas apenas, uma de cada lado da rede. Você pode aplicar essa analogia para qualquer tipo de relacionamento que tiver. Só que esse jogo é um pouco diferente; o objetivo não é fazer a peteca cair do outro lado, mas sim mantê-la no ar o maior tempo possível. Peteca no chão, os dois perdem ponto. Isso quer dizer que você e seu parceiro do outro lado da rede terão que se esforçar para mantê-la no ar. Quer dizer que não adianta mandar aquele canhão de cortada achando que está abafando, ou então dar aquela pingadinha maliciosa, pois se o seu parceiro não conseguir pegar os dois perdem. Significa também que quando a peteca vier toda torta, aquelas petecas difíceis, esticadas no fundo da quadra e rodando com efeito, você vai ter que se esforçar pra defender bem e, ainda, devolver amaciada do outro lado. Não adianta repassar a dificuldade. Se você já jogou dessa forma, sabe do que estou falando. Nossas relações são exatamente isso: a arte de não deixar a peteca cair.

Às vezes chegamos cedinho no trabalho e já vem uma peteca rasteira: você dá um pulo, mal pega essa e já vem outra do lado. Tudo bem, vamos suando, consertando e devolvendo uma por uma. Faz parte. Um amigo te telefona e fura um compromisso, mas se você devolver com uma cortada furiosa a peteca vai pro chão. A mão coça, mas lembre-se: nesse jogo não adianta reagir, o negócio é agir. Você amacia e avisa em voz alta: “cuidado aí, ow, essa quase caiu!” Daí, quando você pensa que o jogo acabou, eis que chega em casa, cansado depois de um dia inteiro dando pulo prá lá e prá cá, e  então lá vem aquela peteca de efeito… Não tem nem como desviar, e essa vem no seu peito, o negócio é se virar e pegar mais uma.

A primeira lição desse jogo é: cada parceiro tem uma habilidade diferente e um jeito peculiar de jogar. Não vai adiantar repetir jogadas ensaiadas, nem esperar que o fulano faça como o beltrano. E por isso também é preciso saber medir ritmos e forças, nem pra mais, nem pra menos. Segundo: se os dois jogam limpo, peteca no alto. Jogada suja e maldosa não funciona, pode provocar lesões e faz com que a dupla desanime e perca o gás. E, por fim, se começar a ventar forte não se engane: os dois vão ter que se esforçar mais. Em períodos de dificuldade não adianta culpar seu parceiro pela peteca difícil, trate de estimular positivamente o jogo na adversidade.

Acredito que a grande sacada é a comunicação, os famosos “combinados” de uma relação. Combine o tamanho da quadra que vão usar em cada partida, os limites, a altura da rede e os pontos fortes e fracos de cada um. Se a sua canhota é mais fraca, você pode pedir ao seu parceiro para mandar mais na sua direita. Não se esqueça que esse é um jogo onde não há competitividade, ou pelo menos não deveria haver. Não pode haver segredos ou mistérios. Quando alguém mandar uma cortada, amacie e avise: “ó, quase caiu!“. Acho que o problema é esse: fomos treinados a vida toda para a competição, para ganhar, para dificultar mais do que facilitar, para sermos reconhecidos individualmente. Até o dia em que entendemos que numa relação nada disso funciona mais. Ganha-se “com” alguém, e não “de” alguém. E descobrimos que o adversário é nossa impaciência, arrogância, ansiedade e, principalmente, a expectativa de receber só peteca boa, só filé.

Sim, é preciso suar a camisa, esforçar-se. Ninguém disse que seria fácil. E também não gostamos de coisas fáceis, seja sincero, há em nós a constante necessidade de superação. Cuide também da sua condição física, não vá se lesionar à toa. Procure entrar em partidas construtivas, aquelas que irão te fazer um petequeiro cada vez melhor, e evite as improdutivas. Não se esqueça que uma partida nunca é igual a outra e, quando a peteca cair no chão, pegue, dê o saque e recomeçe a jogar dando o melhor de si, lembrando que numa relação ninguém erra ou acerta sozinho.

Gustavo Mokusen.

Anúncios

Uma opinião sobre “Top Posts 2012”

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s