“Meditação muda a forma de reagir a emoções”

Matéria publicada na revista Veja, 14/11/2012.

meditação

Imagens de ressonância magnética mostram que diferentes formas de meditação têm efeitos duradouros na estrutura cerebral

Participar de um programa de treinamento em meditação pode ter efeitos duradouros e mensuráveis nas funções do cérebro, mesmo nos momentos em que a pessoa não está meditando. Esse é o resultado de uma pesquisa publicada na edição deste mês da revista Frontiers in Human Neuroscience que usou imagens de ressonância magnética do cérebro de voluntários para medir como a prática da meditação afetava a regulação das emoções. “Essa é a primeira vez que a meditação foi mostrada afetando o processamento emocional do cérebro fora dos estados meditativos”, disse a neurocientista Gaëlle Desbordes, pesquisadora da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, e autora da pesquisa.

Diversos estudos anteriores mostraram que a prática da meditação diminuía a ativação da amígdala – uma área cerebral conhecida por seu papel na regulação das emoções. Essas pesquisas, no entanto, só haviam sido feitas com voluntários durante o estado meditativo. O novo estudo é o primeiro a medir se a prática pode produzir uma redução duradoura na resposta da amígdala aos estímulos emocionais.

Os participantes foram recrutados entre os voluntários de uma pesquisa maior realizada pela Universidade de Emory, nos Estados Unidos, que havia angariado adultos saudáveis para participar de cursos de oito semanas em dois tipos de meditação. A primeira foi a meditação de atenção plena, o tipo mais estudado, focado em desenvolver a consciência da respiração, pensamentos e emoções. A segunda, e menos conhecida, foi a meditação compassiva, que inclui métodos destinados a desenvolver a bondade e a compaixão por si mesmo e pelos outros. Um terceiro grupo de voluntários participou de cursos de saúde pelo mesmo período de oito semanas.

A pesquisa da Universidade de Boston recrutou 12 participantes de cada um dos três grupos, e realizou exames de ressonância magnética em seu cérebro três semanas antes de começarem os cursos e três semanas depois de terminarem. Os exames foram realizados enquanto os voluntários viam uma série de 216 fotografias de pessoas passando por situações com conteúdo emocional positivo, negativo ou neutro.

Atenção e compaixão – As imagens de ressonância magnética do grupo que praticava a meditação de atenção plena mostraram uma queda na atividade da amígdala direita em resposta a todas as fotografias. Já as imagens do grupo que praticava a meditação compassiva só mostraram uma queda na reação às fotografias positivas e neutras. Na verdade, entre os participantes que praticavam esse tipo de meditação com mais regularidade, a resposta da amígdala às imagens negativas aumentou.

Imagens de ressonância magnética mostraram uma menor atividade da amígdala direita após a meditação, o que indica maior estabilidade emocional

Já o terceiro grupo, que recebeu apenas as aulas sobre saúde, não mostrou nenhuma mudança na reação às fotografias, mostrando que a meditação ajuda a melhorar a estabilidade emocional e a resposta ao estresse. “Esses resultados são consistentes com a hipótese de que a meditação pode resultar em mudanças benéficas e duradouras no funcionamento cerebral, especialmente na área de processamento emocional”, diz Gaëlle Desbordes.

Quanto à resposta cerebral diferente entre os dois grupos de praticantes da meditação, os pesquisadores explicam que isso se deve ao fato de eles treinarem aspectos diferentes da mente. “A meditação compassiva foi desenvolvida para aumentar os sentimentos de compaixão, então faz sentido que ela aumente as respostas da amígdala à visão de pessoas sofrendo. O aumento da atividade da amígdala também esteve relacionado com índices menores de depressão, mostrando que o fato de ter mais compaixão pelos outros também pode ser benéfico para si mesmo.”

CONHEÇA A PESQUISA
Título original: Effects of mindful-attention and compassion meditation training on amygdala response to emotional stimuli in an ordinary, non-meditative state

Onde foi divulgada: Revista Frontiers in Human Neuroscience
Quem fez: Gaëlle Desbordes, Lobsang T. Negi, B. Alan Wallace e Charles L. Raison
Instituição: Universidade de Boston, nos EUA
Dados de amostragem: 36 voluntários que participaram de três tipos de cursos: aulas sobre saúde, treinamento em meditação de atenção plena e treinamento em meditação compassiva
Resultado: Aqueles que tiveram treinamento em meditação mostraram ter maior estabilidade emocional em resposta a imagens emotivas

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s