Mente Comum

 

 

 

“Quando pudermos perceber que há apenas transformação e que nós mesmos somos parte da transformação, não haverá nada mais a ser possuído, nenhum eu para possuir, nada que possamos chamar de posse. Além disso, entendo que os impulsos que me atormentam e dos quais me envergonho não têm mais solidez e estabilidade do que qualquer outro evento. Se a raiva, por exemplo, possuísse qualquer existência real independente, eu teria um grande problema, pois ela existiria em mim independentemente de outras causas internas ou externas, um defeito de personalidade constante que eu teria que enfrentar. No entanto, como a raiva é um estado momentâneo que surge de certas condições e depois declina por causa de outras condições, quando se vai, realmente se vai, se extingue. Assim, não sou intrinsecamente uma pessoa raivosa, nem uma pessoa boa, ou qualquer outro tipo de pessoa.”

Trecho do livro “Mente Comum”.

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s