O pão nosso de cada dia

Não pense que sua vida será fácil; tratá-la dessa forma seria menosprezar seus desafios e suas oportunidades de crescimento. Tampouco caia no engodo de se enxergar como vítima das circunstâncias e, em nome disso, ficar paralisado no meio do caminho de mãos abanando, sem ter o que comer.

É necessário buscar o pão de cada dia, é necessário fazer por merecê-lo. Esse pão significa nosso alimento espiritual, nossa motivação interior, nossa força para seguir adiante. Nós somos responsáveis por ele, e isso quer dizer que temos que misturar os ingredientes, bater a massa, levar ao forno e ficar espertos para não queimá-lo. Ninguém pode fazer isso por nós, pois esse pão interior está dentro e não fora. É claro que podemos receber muita ajuda e também podemos ajudar os outros, mas a despeito de toda a ajuda que possamos dar ou receber, no fim das contas nós sempre temos a responsabilidade de como utilizamos as ferramentas e matéria prima que temos disponíveis.

Superação requer esforço e sacrifício, e eu não conheço outros atalhos para isso. Se você almeja alcançar realização profissional você terá que se preparar, que melhorar suas habilidades, que aprender uma nova forma de aproveitar os recursos disponíveis. Se você quer melhorar uma relação, um casamento ou se quer lidar melhor com as pessoas ao redor, então será necessário rever hábitos e posturas, mudar atitudes e buscar maneiras de transpor velhos obstáculos emocionais. Resumindo, é necessário agir com intenção, pois sem ação nada de concreto irá se realizar.

Através de esforços sucessivos vamos aproximando-nos dos nossos objetivos, mesmo que lentamente. É muito importante entender que o princípio dos esforços sucessivos repousa na paciência e persistência, sem os quais desistimos facilmente. Tentamos, tentamos de novo e assim vamos progredindo passo a passo, etapa por etapa na transformação que buscamos. Ao mesmo tempo, o sacrifício representa o desapego ao prazer, a mudança do crescimento, a opção consciente de prosseguir e melhorar ao invés de estacionar na zona de conforto. É a habilidade de abrir mão da velha forma e incorporar o novo.

Os esforços sucessivos podem ser representados pelo calor do forno, e o sacrifício, pelo fermento. O calor transforma lentamente, com persistente paciência, e o fermento faz crescer de dentro para fora, preparando a nova forma. Se um deles está ausente, o pão simplesmente não fica pronto. Ao mesmo tempo, o excesso também é prejudicial, ou seja, há uma medida exata para cada um deles.

E cada dia é novo, cada receita é diferente. Podemos inovar, criar, balancear os temperos. Podemos experimentar.

Se pararmos no meio do caminho, se deixarmos de assar esse pão todos os dias, vamos morrendo lentamente. E essa é a pior morte que existe, uma vez que você ainda está vivo para testemunhá-la; você começa a desacreditar nas coisas, começa a duvidar da sua existência e passa a não encontrar mais sabor em sua vida. Portanto, é necessário ganhar o pão de cada dia, é necessário manter-se motivado para não perder o sentido que pode ser encontrado durante a jornada nesse planeta. Caso contrário, você irá comer um pão velho, duro e mofado.

Acredito na ação, nos fatos. Acredito em colocar a mão na massa, em assar esse pão todos os dias da melhor forma possível. Finalmente, acredito que o sabor que experimentamos nessa vida depende do calor e do fermento que usamos em nossa transformação interior.

E você, como têm assado o seu pão? Envie-nos uma mensagem e conte sua experiência, vamos trocar receitas!

Votos de Luz,

Gustavo Mokusen.

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s