Corpo e Mente

Por Leonardo Vaz de Melo

Quanto mais o Ser Humano evolui, melhor se percebe a importância do equilíbrio entre corpo e mente na saúde das pessoas, principalmente na cultura ocidental, onde tal percepção não era tão aguçada há pouco tempo.

Não importa o quão realizado profissionalmente alguém seja, o quanto ganhe, ou a estabilidade que tenha no emprego. Se o lado emocional vai mal, seja no ambiente de casa, no trabalho ou nas diversas relações humanas, e assim torna-se insalubre, o corpo vai pedir socorro. O corpo manifesta desequilíbrios de diversas formas quando a mente não está em uma freqüência afinada com a dele.

A medicina ocidental tem, ao longo dos últimos anos e em ritmo acelerado, percebido o que outrora era privativo da medicina oriental e suas derivações: que não somos um “pedaço de carne” acoplado a um complexo sistema controlador, o encéfalo. A visão holística do Ser vem sendo freqüentemente abordada nos consultórios onde a medicina alopática outrora imperava. Diagnósticos de “viroses” são analisados com maior atenção, focando o modus vivendi do paciente, a fim de eliminar os fatores exógenos causadores de desequilíbrios internos. O conhecimento adquirido pela evolução dessa medicina tem afirmado o que já é sabido pela milenar Medicina Oriental que sempre focou na busca do equilíbrio entre Corpo e Mente.

A minha percepção, totalmente empírica, se me permitem a opinião, é que realmente o resultado metabólico imposto ao nosso organismo é fruto 100% de reações químicas. É a manifestação de reações, enzimas e endorfinas. Mas percebo, também, que tais reações são influenciadas, até certo ponto, pela rotina que se decide ter. A dosagem de ácido clorídrico, as descargas de adrenalina, o tempo de recaptação da serotonina e a freqüência em que ela é abundantemente liberada; toda essa química tem conseqüências, impactam naquele “pedaço de carne”, seja renovando, seja mantendo a saúde. O que sempre a medicina ocidental fazia era, basicamente, atacar os efeitos e não as causas dos problemas manifestados pelo corpo. Era analgesiar os efeitos dos desequilíbrios, aplicando inibidores da recaptação da serotonina, prolongando a sensação de bem-estar; neutralizando a ação ácida, sabidamente, essa última, liberadora de radicais livres e causadora de diversos males, dentre os quais se destaca o envelhecimento precoce.

Concluindo, o que se percebe é uma mudança de atitude global. Vemos as organizações com a tônica forte na Gestão de Pessoas, as pessoas adotando estratégias para conviverem melhor, seja em casa ou no trabalho; respeitando as diferenças, cuidando do corpo, permitindo que a intervenção alopática somente seja aplicada em casos extremos, quando este desequilíbrio estiver ameaçado. É a renovação de velhos tempos, uma nova Era de velhos conceitos reciclados.

Anúncios

Uma consideração sobre “Corpo e Mente”

  1. Quinhas, adorei este comentário. Sempre senti e pensei desta forma. Quantas vezes acordamos tão bem, e de repente nossa vida muda tanto,não é?. Precisamos estar sempre atentos para superarmos as pegadinhas que o dia a dia nos impõe. Não tem remédio que consiga controlar nossas emoções. Com muita fé e determinação conseguimos sempre superar os desafios do dia a dia. Um beijo

    Curtir

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s