O consumo te consome?

Há uma relação estreita entre a sobrecarga de trabalho, o consumo em excesso e o desequilíbrio emocional. Eu poderia até dizer que essas seriam três grandes marcas dos tempos pós-modernos, de forma que a rotina profissional estressante, o impulso consumista e as emoções desbalanceadas são partes de um ciclo em cadeia que se retroalimenta.

Somos cada vez mais exigidos em termos de produção, principalmente a produção profissional, que muitas vezes ultrapassa os limites aos quais deveria estar contida e, assim, começa a afetar a vida pessoal, as relações e até mesmo a família. Claro que a ansiedade, o estresse e o desequilíbrio emocional – que são hoje problemas comuns de milhões de pessoas – têm muitas vezes origem nessa ambiência social que impõe demandas cada vez mais agressivas de superação constante, que na maioria das vezes visa apenas ao lucro exorbitante do ideal de acumulação do capital. Ao mesmo tempo, como promessa de alívio de toda essa situação angustiante, nos é apresentado um estilo de vida baseado no consumismo e estimulado pelo acúmulo de coisas materiais.

Eu não sei se vocês percebem a conexão: a sobrecarga de trabalho pautada na intenção de ganhar mais dinheiro para poder consumir mais, mas que gera problemas de ordem emocional, os quais por sua vez tentamos solucionar através da promessa de felicidade que existe no consumo, o que acaba gerando dependência do excesso de trabalho.

Parece que o modelo do super profissional, do “workaholic” que produz como máquina e se entrega sem limites ao jogo de resultados, têm se difundido de maneira traiçoeira em nossa cultura nas últimas décadas. De maneira habilidosa, uma promessa muito influente nos tem sido apresentada de forma sutil, a de que uma carreira profissional extremamente bem sucedida é, sem dúvida, o aspecto mais importante em nossas vidas. Por “bem sucedida” entenda-se uma trajetória onde se acumula a maior quantidade de dinheiro e de coisas materiais, e também a quantidade de influência pessoal. Entenda-se a obsessão por lucro e fama. Nesta perspectiva deformada da realidade, o termômetro que mede sua ascensão chama-se consumo. Qual a marca do seu carro? Da sua roupa? Quanto? Quanto? Essa obsessão por quantidade é o que aliena. A alienação chega ao ponto de se valorizar e discutir mais os “direitos do consumidor” do que os direitos humanos, tendo em vista que em poucas décadas o código do consumidor recebeu mais atenção para ser alterado e aperfeiçoado do que os ideais humanitários receberam em toda sua história de existência. Óbvio que a grande estratégia de alimentação do mercado consumidor gira em torno da formação de grandes consumidores em potencial.

Na verdade, grande parte do consumismo só ocorre porque as pessoas acreditam que as coisas materiais podem fazer a vida realmente mais feliz. Ou seja, muitas vezes é uma forma de tentar fugir da angústia existencial e da infelicidade que experimentam, transferindo parte desse sentimento para o ato de consumo. Isso se chama “coisificação da angústia”.

Eu não vou me enveredar pela discussão infinita sobre os males ou benefícios do consumo, e nem polarizar a questão na velha forma capitalismo x socialismo. Mas gostaria de lhe dizer que o consumo em excesso pode te consumir. Quero dizer também que não temos que aceitar todas as demandas que nos são empurradas. Se os outros, se a maioria das pessoas vive um ritmo alucinado de vida para suprir as demandas de consumo alienado, não precisamos ser contaminados por isso também. Todos nós podemos fazer escolhas, e saiba que quanto mais você consumir, mais será consumido; seu tempo, sua vida familiar, suas relações e sua saúde serão pautados pelo estilo de vida que optar.

É obvio que o trabalho é necessário para nos realizarmos neste mundo, mas assim também o são a vida relacional, a vida familiar e nosso equilíbrio pessoal. O trabalho em excesso ou a falta dele provocarão desequilíbrios. Na mesma medida, o consumo: existe um nível saudável de consumo, aquele nível que melhora nossa vida como um todo e também a das pessoas que nos cercam.

O trabalho e o consumo são meios, e não uma finalidade em si mesmos. Eles são meios que nos permitem alcançar e manter o equilíbrio, a saúde e uma vida balanceada com as pessoas que nos rodeiam. Acho que uma boa forma de começarmos a mudar nossos paradigmas seria entender a diferença entre o tipo de trabalho e consumo individualistas e outro tipo mais abrangente, aquele em que trabalhamos e consumimos não apenas para satisfazer nossos desejos pessoais, mas também na intenção de compartilhar coisas e experiências transformadoras com os outros.

Votos de luz,

Gustavo Mokusen.

Anúncios

2 opiniões sobre “O consumo te consome?”

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s