Feed back sim, dependência não.

Temos recebido muitas questões pessoais dos leitores do ALD, e é uma satisfação para nós poder compartilhar idéias e trocar experiências com vocês. Isso enriquece muito nosso propósito.

Vocês sabem qual é a única coisa que um olho não pode ver? Um olho pode ver tudo ao redor, menos a si mesmo; ele precisa de um espelho para conseguir se perceber. Em qualquer situação que possamos nos encontrar, nas boas e nas complicadas, nós sempre poderemos enxergar as coisas ao nosso entorno, mas certamente precisamos também de um feed back que funcione como um espelho e nos ajude a compreender a nós mesmos. O feed back é o retorno, é o reflexo do espelho que nos situa e nos ajuda muitas vezes a compreender a perspectiva dos outros. Assim, é com essa perspectiva que respondemos as questões que nos são dirigidas, na intenção de contribuir com um olhar externo e com algumas perguntas de perfuração que podem elucidar aspectos obscuros ou mal compreendidos do problema em si. E eu gostaria mais uma vez de agradecer a confiança de vocês em dividir questões pessoais conosco e reafirmar que nós sempre preservaremos a identidade e nomes de pessoas que contribuem com relatos. Bem, no começo da semana recebemos um email de uma colaboradora que dizia:

“Mas eu não consigo relaxar. Eu nunca relaxo. Eu sempre estou preocupada com o que meu pai vai achar, o que minha mãe vai dizer ou o que meu irmão vai opinar… Eu não tenho paz interior… Para acabar de inteirar, meu irmão que é quase 10 anos mais novo que eu é super bem sucedido, tem dinheiro, tem emprego e as comparações são inevitáveis!”

Como eu disse acima, o feed back é muito importante em nossas vidas. O espelho pode ajudar muito a nos localizarmos e a regularmos aspectos das nossas relações com os outros. Mas bem diferente disso é quando criamos dependência da opinião alheia, o famoso palpite, principalmente quando se trata de opiniões comparativas e pouco construtivas. Na maior parte dos casos, comparações podem ser bem injustas, porque na comparação geralmente nós não respeitamos as peculiaridades de cada situação. Tá, funciona bem ali, mas aqui é diferente. Sabe como? Temos que levar em conta isso, que temos necessidades e demandas que nem sempre são as mesmas – e viva a diversidade!

É complicado quando nós necessitamos sempre da aprovação alheia. Tudo bem, as pessoas falam com a gente, dão conselhos e opiniões, isso é muito bacana, é um tipo de feed back natural. Mas há um momento em que temos que assumir as rédeas da direção da vida, porque simplesmente as mesmas pessoas que opinam e dão conselhos não vão assumir as responsabilidades das decisões que você tomar. Lembre-se bem disso, você não pode delegar aos outros a responsabilidade das suas decisões. Agora, também tem aquele tipo de gente que não se toca, o famoso “entrão”, olhudo, que dá palpite em tudo e fica infernizando a vida dos outros com tudo de inútil que tiver nas mãos, só pra tocar a confusão. Tipo, é aquele que não faz nada e cobra de todo mundo.

Não deu para saber, pelo email que recebi, em qual caso nossa amiga se encontra, se é uma situação de hipersensibilidade à opinião e comparação alheia ou a síndrome do “entrão”. Mas de qualquer forma, podemos selecionar sempre quais opiniões e comparações vamos absorver. Existe uma passagem onde alguém oferece um presente para um mestre. Mas o mestre, com seu poder de percepção, vê que não se trata de um presente, mas sim de uma armadilha, dentro da caixa tinha um pássaro morto e envenenado, muito mal cheiroso, e aquela pessoa estava apenas testando o mestre. Então o mestre simplesmente disse: “Muito obrigado, mas não posso aceitar seu presente.” A pessoa então teve que voltar com o pássaro morto nas mãos. Essa metáfora mostra que temos o poder de decidir, de receber ou não aquilo que nos entregam. Claro, somos educados e falamos “muito obrigado pela sua opinião”, mas não deixamos isso nos afetar caso seja algo negativo ou inútil. Não absorvemos.

Dê os parabéns ao seu irmão pelo sucesso, lembrando-se que há várias formas de sucesso no mundo e não somente o financeiro. Ouça a opinião dos seus pais, afinal eles têm experiência, mas lembre-se das rédeas e da direção da sua própria vida. Seja amistosa com eles. Isso pacifica. Mas dentro de você não absorva comparações que te colocam abaixo ou receba energia de comentários negativos, caso seja esta a situação. Sai fora, olhudo!

Ao mesmo tempo, planeje concretamente suas ações de mudança. Não alimente inferioridade. O sentimento de inferioridade é a porta para a fraqueza, e ninguém gosta de uma pessoa ou de alguma coisa fraca. Ao mesmo tempo, não enrijeça o seu ego com sentimento de superioridade. Rigidez do ego provoca desmoronamento. O bambu é flexível, quando o vento forte sopra ele vai até o chão em sinal de humildade, mas depois volta à posição original revigorado. Já o carvalho inflexível que não cede ao vento acaba quebrado ao chão.

Com votos de luz,

Gustavo Mokusen.

Anúncios

Uma consideração sobre “Feed back sim, dependência não.”

  1. Penso que os pais sempre querem mais do que tiveram para os filhos. Isso, mesmo que inconsciente, muitas vezes atrapalha no desenvolvimento de seu livrearbítrio. Penso também que existem pessoas ao nosso redor, que tambem inconscientemente por serem limitadas, dão opniões sem nenhum fundamento, apenas para participarem, sem noção do poder, as vezes destruidor, que pode causar sobre uma pessoa que está vulnerável em certos momentos.
    Acho que o melhor é exatamente relaxar e curtir a própria vida, já que cada um recebeu uma para viver da maneira que bem entender.

    Curtir

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s